Postado em sábado, 30 de dezembro de 2017

Danilo vê Guardiola superdotado taticamente, e diz que Copa seria auge

  No sábado passado, Danilo marcou seu primeiro gol pelo Manchester City, quatro minutos depois de entrar em campo. Na última quarta-feira, ele foi titular e atuou 90 minutos. Em ambas as vitórias, por 4x0 e 1x0 sobre Bournemouth e Newcastle, respectivamente, o brasileiro jogou como lateral-esquerdo. Nas mãos de Pep Guardiola, o lateral-direito já esteve em quatro posições.


Problema? Para ele é solução. Em entrevista ao GloboEsporte.com, Danilo disse que Guardiola avisou na assinatura do contrato que pretendia dar a ele diversas funções.

– Eu diria que ele é um superdotado taticamente. Ele compreende o jogo de maneira incrível e sempre tem soluções – afirmou Danilo sobre o técnico.

Graças ao bom momento no City, onde vem tendo chances mesmo sem ser titular com frequência, Danilo voltou a ser convocado para a seleção brasileira e, hoje, é o favorito a ser reserva de Daniel Alves na Copa do Mundo de 2018 – Fagner, do Corinthians, é seu principal concorrente.

O jogador, que fará 27 anos no dia da final da Copa, esteve presente nas duas últimas listas de Tite, e, mesmo com um currículo recheado, com conquistas de Libertadores, Liga dos Campeões e Mundial de Clubes, por Santos e Real Madrid, afirmou que estar na Rússia seria o auge da carreira.

Danilo também falou sobre Neymar, Cristiano Ronaldo, a lesão que o atrapalhou na Seleção e no Real, e descartou qualquer possibilidade de voltar ao Porto por empréstimo, notícia que foi veiculada na imprensa portuguesa.

Você jogou em times vencedores, como o Santos campeão da Libertadores, o Real Madrid, e a seleção brasileira sub-20, campeã sul-americana. Mas esse City parece oferecer uma experiência diferente aos jogadores e a quem assiste. O que ele tem de especial?
Não acho bom fazer comparações, pois cada equipe foi vencedora em seu momento, mas as coisas que mais me agradam nesse City são, em primeiro lugar, a segurança que ela oferece. Ou seja, não dá quase nenhuma hipótese do adversário chutar a gol ou criar lances de perigo, e ligada a isso está a segunda coisa, que é a posse de bola. Me encanta sempre ter a bola e construir o jogo. E aqui temos essa característica bastante marcante.

Nessa temporada você já atuou nas duas laterais, como terceiro zagueiro e até no meio. Como é a conversa com Guardiola quando ele pretende te improvisar? Ele pergunta como você se sente ou simplesmente faz porque acha que você é capaz de executar?
Antes de assinar com o City eu tive uma conversa muito clara com o Pep, e ele disse que me usaria em várias posições. Isso me agrada e me faz estar sempre preparado para jogar em qualquer posição. Mas, normalmente, ele procura comunicar antes e explicar bem a função para que possamos fazer sempre bem.

Muitos consideram Guardiola um gênio. É assim que vocês o veem também?
Eu diria que ele é um superdotado taticamente. Mas isso, claro, veio através de muito estudo. Ele compreende o jogo de maneira incrível e sempre tem soluções. Aliado a isso, ele é um competidor nato, o que aumenta muito sua capacidade.

Você ficou muito tempo afastado da seleção brasileira. Esperava voltar agora ou a possibilidade de disputar a Copa do Mundo já havia sumido da sua cabeça?
A minha mudança para o Manchester City tinha como um dos objetivos voltar à seleção brasileira. Então não foi uma surpresa para mim. Fiquei muito feliz porque estava me dedicando muito pensando nisso também.

Qual foi sua impressão do Tite nesse tempo em que estiveram juntos? Por que os jogadores gostam tanto dele?

O Tite tem um lado humano que é muito bacana de conviver. É muito sério, líder, entendedor tático, mas também é um paizão. É uma característica muito importante para comandar um grupo. Ele cuida de cada detalhe. Isso ajuda a estar mais perto das vitórias.

Você jogou com Neymar e Cristiano Ronaldo. O que cada um desses jogadores tem de mais impressionante? O que eles fazem nos treinos e jogos, que mais chama atenção?
Neymar foi meu companheiro desde cedo no Santos e eu sempre tive a certeza que ele seria um dos melhores do mundo. Ele respira futebol, faz mágica com os pés. Talvez ele nem precisasse treinar para participar de um jogo, e mesmo assim estaria na mesma forma dos outros. Já o Cristiano é super competitivo e trabalha muito, cuida de cada detalhe. Além disso, tem características únicas, não é por acaso que foi eleito tantas vezes o melhor do mundo.

"Neymar foi meu companheiro desde cedo no Santos e eu sempre tive a certeza que ele seria um dos melhores do mundo. Ele respira futebol, faz mágica com os pés. Talvez ele nem precisasse treinar para participar de um jogo, e mesmo assim estaria na mesma forma dos outros"
Tenho impressão de que aquela lesão no tornozelo, em 2015, atrapalhou o andamento da sua carreira. Você era titular da Seleção e havia acabado de ser contratado pelo Real Madrid. O que aconteceu?

Sem dúvida a lesão de 2015 teve influência negativa na minha carreira, me tirou de duas Copas Américas no momento em que eu vinha sendo titular. E me prejudicou fisicamente no primeiro ano em Madrid. Passei toda a temporada fazendo procedimentos para jogar com o mínimo de dor, e no final acabei por operar. Mas faria tudo outra vez, pois foram anos de conquistas incríveis.

Você conhece alguns dos jogadores da Seleção desde garotos, como Neymar e Casemiro, por exemplo. Sente que eles estão prontos para uma Copa do Mundo? E Gabriel Jesus? Você convive com ele, o acha maduro o suficiente para, aos 20 anos, ser protagonista?
Neymar e Casemiro são jogadores chaves em suas equipes, que são as mais importantes do mundo. Sem dúvida estão no momento ideal para conduzir a Seleção à grandes conquistas. A seleção é muito rica de experiência e qualidade em cada posição. Isso é uma vantagem. O Gabriel foi uma grata surpresa para mim, pois é muito maduro para sua idade. Ainda que ele tenha uma margem de progresso muito grande, já está à altura dos grandes da Europa.

"O Gabriel Jesus foi uma grata surpresa para mim, pois é muito maduro para sua idade. Ainda que ele tenha uma margem de progresso muito grande, já está à altura dos grandes da Europa."

Embora jovem, você tem um currículo importante, com medalha olímpica, grandes equipes. Qual é o tamanho de disputar uma Copa do Mundo? Quanto isso agregaria nessa trajetória?

Cada conquista, desde a menor até a maior, tem importância na minha vida, pois foram frutos de muito trabalho e dedicação. Mas, sem dúvida, disputar a Copa do Mundo seria o auge. Esse deveria ser sempre o maior objetivo de um jogador de futebol. Eu trabalho pra isso, sem obsessão, mas buscando desfrutar de cada dia e cada oportunidade no meu clube, e assim fazer por merecer participar do Mundial da Rússia.

Foram publicadas nas últimas semanas notícias sobre a possibilidade de sua volta ao Porto, por empréstimo. Isso é mesmo possível? Alguém te procurou?

O Futebol Clube do Porto é o clube do meu coração e sempre será minha segunda casa, mas nesse momento isso é impossível. Estou muito feliz nesse projeto magnífico que é o Manchester City, e totalmente concentrado em ajudar o clube a conquistar trofeus importantes nessa temporada. Disputar a Premier League, e principalmente trabalhar sob as ordens do Guardiola, me faz querer estar por muitos anos nesse clube, desfrutando e sempre evoluindo.




Fonte: Globo Esporte